O Circo brasileiro vive um momento especial de crescimento em todos os aspectos, trazendo os benefícios dessa arte para quem a pratica e também para o grande público que vai a espetáculos e apresentações. Reafirmo aqui a imensa força do universo imaginário do Circo e sua capacidade como instrumento de difusão da cultura e dos princípios básicos da convivência social a partir do coletivo.

Nos últimos anos vemos crescer o reconhecimento popular, institucional e acadêmico pelo Circo. Como linguagem universal o Circo ganha espaço nas artes cênicas, nas políticas públicas, desperta interesse acadêmico como objeto de pesquisa, e seu potencial como elemento de transformação social é constatado com sucesso em inúmeros projetos educacionais espalhados por todas as regiões do Brasil.

É chegada a hora de pensar o Circo com excelência e aproximar todos os seus sujeitos - empresários, donos de Circo, diretores (artísticos e técnicos), coreógrafos, artistas, mestres, capatazes, técnicos de montagem, aprendizes, fabricantes de equipamentos, órgãos públicos e privados, universidades e demais instituições que pensam e oferecem programas e atividades circenses. É chegada a hora de conscientizar a todos sobre a responsabilidade de cada segmento desse universo para o desenvolvimento de uma arte circense brasileira de excelência.

É fundamental reduzir riscos e os acidentes na prática circense. Faz-se necessário aliar a performance artística à segurança, valorizando a integridade física e a longevidade da carreira artística do circense a partir de práticas corporais preventivas e da utilização de materiais e equipamentos de segurança, além de recursos tecnológicos. O conhecimento dos procedimentos e parâmetros básicos de segurança, sejam nacionais, sejam internacionais, são fundamentais no aprendizado dos alunos, no treinamento dos artistas e na criação de números e espetáculos.

É nossa missão também lutar por uma formação que possibilite ao circense uma reflexão estética mais profunda, levando em conta toda a complexidade desse universo criativo, artístico e cultural garantindo a evolução de um corpo inteligente que melhor atenda às demandas específicas da linguagem acrobática na contemporaneidade.

O conhecimento científico da biologia, anatomia, fisiologia, biomecânica e da cinestesia, entre outros, deve se somar à consciência corporal para proporcionar uma integração vivenciada entre teoria e prática.

A realização desse trabalho vem coroar essa reflexão de extrema importância para a adoção de uma cultura de segurança para o Circo no Brasil.

É com grande prazer que recomendo a leitura deste livro, uma obra preciosa para os que vivem o risco e amam o Circo.

Vanda Jacques
Sócia fundadora, artista e diretora pedagógica da Cia Intrépida Trupe – RJ, Brasil.

Sumário

A segurança na atividade circense

O risco e o acidente como conceitos centrais para a segurança das práticas circenses

A segurança como aspecto central para o desenvolvimento do circo

Por uma cultura de segurança no circo

Referências

Reportagens

Anexos

Glossário