Biblioteca de Artigos Científicos

Seja bem vindo ao acervo de artigos da Fontoura Editora

HOMEPAGE MISSÃO COMISSÃO EDITORIAL NORMAS DE PUBLICAÇÃO CONTATO

ANÁLISE DE SESSÕES CONSECUTIVAS DE HIIT NO ESTADO REDOX

Para baixar o artigo clique aqui

Autor(es)

Lúcio Marques Vieira Souza, Jymmys Lopes dos Santos, Roas de Araújo Costa, Anderson Carlos Marçal, Charles dos Santos Estevam. 

Resumo

O HIIT tem menor duração do que outros tipos de treinamento e promove melhora do metabolismo e da capacidade cardiorrespiratória. No entanto, é realizado em altas intensidades e com isto pode ocasionar desde lesões, fadiga, aumento de espécies reativas de oxigênio, e se ocorrer um desequilíbrio entre as reações de oxidação e de antioxidação será ocasionado o estresse oxidativo. Os efeitos do HIIT em períodos consecutivos ainda carecem de maiores referenciais. O objetivo principal do estudo foi avaliar o efeito de 15 dias consecutivos de um protocolo de treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) em ratos nos marcadores de danos oxidativos no sangue e nos órgãos músculo gastrocnêmio, fígado e coração. Desta forma, foram utilizados ratos Wistar que foram divididos aleatoriamente em 2 grupos: Sedentário (GC, n=10) e animais submetidos ao treinamento intervalado de alta intensidade (GH, n=10). Os resultados demonstraram que houve aumento da peroxidação lipídica no grupo GH quando comparado com o GC nas amostras de sangue (297%, p<0,0001), músculo gastrocnêmio (225%, p<0,0001), fígado (398%, p<0,0001) e coração (186%, p<0,0001). Todavia, a concentração de grupamentos sulfidrilas no grupo GH foi reduzida quando comparada com o GC para as amostras de sangue (44%, p<0,0001) músculo gastrocnêmio (46%, p<0,0001), fígado (44%, p<0,0001) e coração (47%, p<0,0001). Conclui-se que treinos diários de HIIT com altos percentuais de intensidade e sem tempo para recuperação entre as sessões podem resultar em alterações no balanço redox do organismo em marcadores de danos oxidativos como o malondialdeído e grupamentos sulfridrilas.

Palavras-chave: HIIT. Peroxidação lipídica. Natação.

Abstract

HIIT has a shorter duration than other types of training and promotes improved metabolism and cardiorespiratory capacity. However, it is carried out at high intensities and can cause injuries, fatigue, an increase in reactive oxygen species, and if there is an imbalance between oxidation and antioxidation reactions, oxidative stress will be caused. The effects of HIIT in consecutive periods still lack greater references. The main objective of the study was to evaluate the effect of 15 consecutive days of a high intensity interval training protocol (HIIT) in rats on the markers of oxidative damage in the blood and in the gastrocnemius muscle, liver and heart organs. Thus, Wistar rats were used, which were randomly divided into 2 groups: Sedentary (CG, n = 10) and animals submitted to high-intensity interval training (GH, n = 10). The results showed that there was an increase in lipid peroxidation in the GH group when compared to the CG in blood samples (297%, p <0.0001), gastrocnemius muscle (225%, p <0.0001), liver (398%, p <0.0001) and heart (186%, p <0.0001). However, the concentration of sulfhydryl groups in the GH group was reduced when compared to the CG for blood samples (44%, p <0.0001) gastrocnemius muscle (46%, p <0.0001), liver (44%, p <0.0001) and heart (47%, p <0.0001). It is concluded that daily HIIT workouts with high percentages of intensity and no time for recovery between sessions can result in changes in the body's redox balance in oxidative damage markers such as malondialdehyde and sulfhydryl groups.

Keywords: HIIT. Lipid peroxidation. Swimming.