Biblioteca de Artigos Científicos

Seja bem vindo ao acervo de artigos da Fontoura Editora

HOMEPAGE MISSÃO COMISSÃO EDITORIAL NORMAS DE PUBLICAÇÃO CONTATO

ESTATURA NO VOLEIBOL: MITO OU VERDADE?

Para baixar o artigo clique aqui

Autor(es)

Vitória Aparecida Santos de Campos, Thiago Andrade Goulart,  Maurício Gattás Bara Filho.

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar a influência da estatura para o sucesso no voleibol de alto rendimento. A amostra foi composta por 196 atletas inscritos na Superliga A masculina temporada 2018/2019. Foram coletados dados de estatura e posição em que atuam disponíveis no site na CBV. Os dados foram apresentados em média ± desvio padrão. Os pressupostos de normalidade e homocedasticidade foram avaliados pelo teste Shapiro-Wilk e de Levene, respectivamente. Testou-se através da Anova de medidas repetidas e correção de Bonferroni, a diferença entre as médias de altura das diferentes posições de atuação. A Anova simples foi utilizada para a comparação das médias de altura entre as equipes classificadas de 1º a 4º, 5º a 8º e 9º a 12º lugar. A Anova de 2 fatores foi utilizada para analisar a interação da classificação final das equipes e o perfil de altura das posições, e a diferença na altura dos titulares e reservas (das equipes classificadas do 1º ao 4º lugar). Utilizou-se o software SPSS v. 25 (SPSS® Inc, Chicago, IL), considerando nível de significância de p<0,05. Houve diferença significativa entre as posições de levantador (1,89±0,05 cm), ponteiro (1,95±0,06 cm), central (2,03±0,05 cm), oposto (2,02±0,06) e líbero (1,82±0,08) e, centrais e opostos são estatisticamente mais altos (p<0,05) entre as equipes dos 3 blocos de classificação. Não houve diferença estatística significativa (p<0,05) entre a altura das posições em relação a classificação final das equipes. Não foi observado diferenças significativas na interação colocação final e times titulares e reservas (p=0,90).

Palavras-chave: Voleibol. Estatura. Titulares x Reservas. Superliga.

Abstract

The aim of the study was to assess the influence of height for success in high-performance volleyball. The sample consisted of 196 athletes enrolled in the men's Super League A 2018/2019 season. Data on stature and position are available on the CBV website and were presented as mean ± standard deviation. The assumptions of normality and homoscedasticity were assessed using the Shapiro-Wilk and Levene tests. Using the ANOVA of repeated measures and Bonferroni correction, the difference between the mean height of the different positions was tested. The simple Anova was used to compare the height averages between the teams classified from 1st to 4th, 5th to 8th and 9th to 12th. Two-factor Anova was used to analyze the interaction between the final classification and the height profile of the positions, and the difference in the height of the starting and reserves (from the 1st to the 4th place). The software SPSS v. 25 (SPSS® Inc, Chicago, IL) was used, considering a significance level of p<0.05. There was significant difference between the positions of setter (1.89 ± 0.05 cm), outside hitter (1.95 ± 0.06 cm), middle blocker (2.03 ± 0.05 cm), opposite (2.02 ± 0, 06), libero (1.82 ± 0.08). Middle blockers and opposites are statistically higher (p<0.05). There was no statistically significant difference (p>0.05) between the height of the positions in relation to the final classification. There were no significant differences in the interaction between final placement and starting teams and reserves (p = 0.90).

Keywords: Volleyball. Height. Starter x Reserve. Superliga