Biblioteca de Artigos Científicos

Seja bem vindo ao acervo de artigos da Fontoura Editora

HOMEPAGE MISSÃO COMISSÃO EDITORIAL NORMAS DE PUBLICAÇÃO CONTATO

PREVALÊNCIA DE INATIVIDADE FÍSICA EM ADOLESCENTES DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Para baixar o artigo clique aqui

Autor(es)

Raquel Sapone Ceschini, Fabio Luis Ceschini, Amilton Ricardo Arantes Moura, Aylton Figueira Júnior

Resumo

A maior prevalência de inatividade física tem se associado a diversas doenças crônicas degenerativas não transmissíveis em pessoas de todas as faixas etárias. Portanto, o objetivo desse estudo foi descrever a prevalência de inatividade física em adolescentes de uma cidade do interior do Estado de São Paulo. O presente trabalho foi realizado com adolescentes estudantes do ensino fundamental II do período matutino de uma escola localizada na cidade de Araraquara no interior do Estado de São Paulo. A amostra foi composta por 234 jovens, com idade entre 11 e 15 anos (13,0±1,3 anos), sendo 110 meninas e 124 meninos. Para avaliar o nível de atividade física foi utilizado o IPAQ versão 8 curta que permite a classificação dos jovens em inativos (praticar menos que 300 minutos por semana de atividades físicas) e ativos (praticar mais que 300 minutos por semana de atividades físicas). Também foram coletadas informações sobre o estilo de vida, como o consumo de tabaco, a ingestão de bebidas alcoólicas e o tempo diário assistindo televisão. Para análise de dados foi utilizado o teste qui quadrado com nível de significância de p<0,05. A prevalência de inatividade física em adolescentes do ensino fundamental da cidade de Araraquara foi de 33,3%, sendo significativamente maior em jovens de maior faixa etária, em jovens que faziam uso do tabaco e bebidas alcoólicas e em jovens que assistiam mais de duas horas por dia de televisão. Adolescentes que relataram já terem participado de eventos promovidos pelo Programa Agita São Paulo foram menos ativos. Concluímos que a prevalência de inatividade física em adolescentes de região interiorana do Estado de São Paulo foi baixa e que, portanto, mecanismos educacionais devem ser priorizados para que os jovens continuem praticando atividade física de forma regular.

Palavras-chave: Interior, adolescentes, atividade física.

Abstract

The highest prevalence of physical inactivity has been associated with several non-communicable chronic degenerative diseases in people of all ages. Thus, it is important to quantify the behavior inactive in various population segments. Therefore, the aim of this study was to describe the prevalence of physical inactivity among adolescents in an inland city of São Paulo. This work was carried out with adolescent school students of the morning at a school in the city of Araraquara within the State of São Paulo. The sample consisted of 234 youngsters, aged between 11 and 15 years (13.0 ± 1.3 years), including 110 girls and 124 boys. To assess the level of physical activity we used the IPAQ short version 8 that allows the classification of youths into inactive (doing less than 300 minutes per week of physical activity) and active (practicing more than 300 minutes per week of physical activity). Information was also collected on lifestyle such as smoking, alcohol intake and time per day watching television. For data analysis we used the Chi-square test with significance level of p <0.05. The prevalence of physical inactivity among adolescents from secondary schools in the city of Araraquara was 33.3% and was significantly higher in young people of older age, juveniles who were using tobacco and alcohol and young people who watched more than two hours per day of television. Adolescents who reported having participated in events sponsored by the Program Agita São Paulo were less active. We conclude that the prevalence of physical inactivity among adolescents in hinterland of São Paulo was low and, therefore, mechanisms of education should be prioritized so that young people continue to practice physical activity regularly.

Keywords: Adolescents, physical activity.